domingo, 4 de janeiro de 2015

Golden Four Asics Brasília


Olá, esse relato merece ser escrito porque conhecer a cidade de Brasília, capital do Distrito Federal, foi uma ótima experiência. Última prova do circuito Golden Four Asics 2014 (as outras são em Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo), foi o evento que reuniu o maior número de participantes em relação as outras etapas. Se for levar ao pé da letra, essa inscrição saiu gratuitamente para mim, visto que no início do ano (janeiro) fechei o pacote por R$ 330,00 nas quatro provas, já que cada uma custa R$ 110,00 se for adquirida de forma separada. Foi a primeira inscrição feita com tamanha antecedência, a ideia de fidelizar esse circuito me agradou.

Estádio Nacional "Mané Garrincha"
Ao longo do ano, tive uma tentação gigantesca, já que a empresa de eventos SportsDo anunciou uma corrida de 21Km, em Fernando de Noronha, para o dia 08/11/14 (sábado), justamente no mesmo final de semana do encerramento da meia maratona da Asics, marcada para o dia seguinte (09/11/14). Abdicar de correr em Brasília me deixaria com uma ponta de frustração, aquela sensação de algo incompleto, portanto, mantive o plano original, o de correr na capital federal. Comprei apenas o trecho de volta, já que a ida obtive sem custos graças ao acúmulo de milhas. Fui de TAM via aeroporto de Congonhas e voltei de AZUL via aeroporto de Cumbica.

AZUL na volta
Assim que desembarquei no moderno Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek (herança da Copa do Mundo), constatei uma coisa: o calor era semelhante ou pior que o de São Paulo. Estava “grudento” com tanto mormaço que fazia, pensei na hora no protetor solar que havia esquecido em casa. A retirada do kit ocorreu num lugar “X”, o hotel em que eu estava hospedado ficava no local “Y” e eu me localizava num ponto neutro, ou seja, pouco importava para onde eu escolhesse ir primeiro. Optei por ir ao hotel, deixar minhas coisas e ir buscar o kit mais tranquilo. Segui algumas orientações que havia pesquisado na internet e optei em usar o ônibus executivo, que partia do aeroporto com destino à rede hoteleira da cidade.

Quarto
Sala de estar
Vale destacar que Brasília é uma cidade de “retas”, onde não há cuvas (ou se existe, eu não as vi), consistem em longas avenidas, distribuídas em faixas bem largas. Essa “aula” sobre como funciona o trânsito em Brasília ficará para um outro dia (ou outra viagem), só sei que lá as pessoas identificam os lugares por intermédio do termo “asa” (asa norte, asa sul e etc.). O ônibus me deixou na rodoviária central, dali o hotel ficava a uns setecentos metros. Fui caminhando, apesar daquele sol castigante. Até aquele momento, tudo corria bem, a ideia era evitar o máximo usar táxi.

Com a Katia na retirada do kit de participação
Kit
Falando um pouquinho sobre o hotel, dentre as opções disponíveis, escolhi o “Mercure Brasília Líder Hotel”, escolha que se mostrou acertada logo no início. Um quarto que mais parecia um flat, de tão grande que era, três cômodos, um quarto e uma sala com TV a cabo em ambos, e um banheiro. Ainda na sala, havia um espaço com micro-ondas e um pequeno fogão, além de frigobar. Esqueci de dizer: no ato do check-in, momentos antes, conheci a Kátia Fonseca (não, não é aquela que é a apresentadora de televisão – risos), mas sim uma corredora de São Paulo. Bem comunicativa, combinamos de retirar o kit juntos.

Jantar
Apetite total
Ao chegar, a Kátia encontrou vários amigos, muitos deles seguidores do Instagram, que por sinal, acabei criando uma conta (http://instagram.com/daniel_running84/). O local estava superlotado, apesar disso, a fila seguiu sem grandes demoras. Almocei com a Kátia no Shopping Central, conversamos mais um pouco, antes de seguir para o hotel. Só para deixar registrado: a expo oferecida pela Asics foi nos mesmos moldes das outras etapas: com massagem, teste da pisada, customização da camiseta, lanches (mediante apresentação de voucher que vinha no kit) e palestras com grandes corredores, tudo gratuitamente. Havia também uma outlet da Asics e alguns expositores de produtos parceiros (serviços pagos), como a revista Contra Relógio, por exemplo.

Pórtico de largada
Bom, optei em jantar no hotel e mais uma vez tive a agradável companhia da Katia, simpatia em pessoa. No dia seguinte, o domingo amanheceu estranhamente nublado, bem diferente do sábado. A largada estava prevista para as 07h00 (na Praça do Buriti), apesar de estar a pouco menos de dois quilômetros, fui de táxi para garantir. Conclusão: um dos primeiros a chegar, o famoso “arroz de festa” (risos). Aos poucos os corredores iam surgindo (me faz lembrar os gafanhotos, do nada surgem milhares), o dia foi amanhecendo e a temperatura, pasmem, abaixo dos vinte e dois graus. Quando a largada foi liberada, sem qualquer atraso, estava garoando, imagino que muitos devem ter comemorado aquela condição climática.

Flagrado tomando gatorade
Temperatura excelente
Durante o percurso, pouquíssimas subidas e descidas, o percurso completamente plano era favorável à aqueles que tentavam melhorar seus tempos na distância. Destaque para o Palácio do Planalto, a Torre de TV, o Congresso Nacional e tantas outras edificações importantes. Os postos de hidratação, com água e gatorade, funcionaram perfeitamente. Foi distribuído gel carboidrato pouco depois da metade da prova. Estava muito bem fisicamente e mentalmente, em nenhum momento tive sinais de fadiga, tudo conspirava para concluir a meia maratona de maneira satisfatória. E foi o que aconteceu, cruzei a linha de chegada com o tempo de 1h34min, melhor tempo nas meias maratonas que fiz em 2014. Como de praxe, recebi uma linda medalha, uma toalha e uma garrafa de gatorade, além de frutas (maçã e banana) a livre escolha.

Posando para foto
Foco na reta final
Antes de ir embora, tirei foto gratuitamente e recebi uma ótima massagem. O serviço de guarda-volumes foi competente, não precisei esperar muito. Por se tratar de largada e chegada em locais diferentes, os pertences foram distribuídos de acordo com o número de peito em vários ônibus, que assim que foi dada a largada, partiu para o local de encerramento do evento. Para não correr riscos de demorar no retorno, no dia da retirada do kit comprei um ticket para retornar ao local da largada com ônibus oferecido pela organização. Foi uma sugestão da Katia, o que fez com que antes das 11:00 eu estivesse no hotel, conseguindo pegar o café da manhã. O voo de volta estava previsto para o final da tarde, tinha bastante tempo para arrumar a mochila e descansar um pouco.

Sprint final e chegada com a minha amiga Augusta
Encontrei minha amiga Isabela, do RJ
E assim foi a minha rápida passagem por Brasília. Espero retornar em breve e fazer outras provas, além de poder conhecer melhor a cidade. Mais uma experiência que o “viajar/correr” me proporciona, uma forma de vida que possibilita unir saúde, bem-estar, lazer e cultura. Fica a dica: se querem fazer uma prova rápida e bem organizada, não pensem duas vezes na hora de colocar a Golden Four Asics em sua lista. Agora posso dizer que concluí o circuito de meias maratonas Asics, consegui cumprir a meta e fechei de forma positiva mais esse grande evento.

Café da manhã no hotel
Resultado oficial
O próximo relato será a minha participação na K21 Series – etapa Serra do Japí, que aconteceu no dia 22/11/14. Depois disso, entrarei de vez em 2015 e contarei as novidades. Até lá!

2 comentários:

  1. Postagem maravilhosa! Eu até fiz uma ponta nela! Foi uma adorável surpresa te conhecer Daniel. Passamos momentos muito bacanas juntos em Brasília, que espero que se repitam por alguma outra prova afora. Seu blog está muito bom. Beijo e ótimo ano de corridas pra você. Feliz 2015!

    ResponderExcluir
  2. Olá Daniel,
    Pretendo participar da etapa São Paulo (02/08/15), Golden Four Asics.
    Gostaria de obter informações quanto aos hotéis próximos ou de fácil deslocamento para a largada da prova.
    Aguardo retorno.

    Grata,

    Andrea

    ResponderExcluir